Páginas

Num Belo Dia...

O_Realista: Sabe... das pessoas que eu conheço, fui o primeiro a ler Harry Potter.
Anônimo_Incógnito: ...
O_Realista: Fui aluno de Dumbledore, senti a dor da cicatriz, me acostumei a viver em Hogwarts...
Anônimo_Incógnito: ...
O_Realista: ...então, num belo dia, Harry Potter virou modinha.
Anônimo_Incógnito: Hum...
O_Realista: Aí comecei a assistir Lost. Fui um dos primeiros também.
Anônimo_Incógnito: Sei...
O_Realista: Fiquei obcecado. Sempre botei fé no Hurley e devo ter sido o primeiro a começar a formular teorias sobre a ilha...
Anônimo_Incógnito: Imagino quais...
O_Realista: ...então, num belo dia, também virou modinha.
Anônimo_Incógnito: Partindo seu coração...
O_Realista: Enfim, comecei a ler Crepúsculo...
Anônimo_Incógnito: ...então, num belo dia...
O_Realista: Dessa vez não houve um belo dia.
Anônimo_Incógnito: Não...?
O_Realista: Não. Tive a impressão de estar lendo um episódio de Malhação com dentes afiados e acabei largando antes que chegasse um belo dia.
Anônimo_Incógnito: Não diga isso... Pode acabar magoando os fãs... e dando idéias pros roteiristas de Malhação...
O_Realista: Hunf!
Anônimo_Incógnito: Certeza que não é inveja do bonitão do filme...?
O_Realista: Sou muito mais o Brad Pitt em "Entrevista com O Vampiro".
Anônimo_Incógnito: ...
O_Realista: ...
Anônimo_Incógnito: Mas, enfim, ter várias pessoas gostando da mesma coisa que você não deveria ser legal...?
O_Realista: Gostar, não! Eu amava Harry Potter! A-M-A-V-A!
Anônimo_Incógnito: ...!
O_Realista: E eles... Ele nem sabem o que é o amor.
Anônimo_Incógnito: E o que é o amor...?
O_Realista: O amor...
Anônimo_Incógnito: ...?
O_Realista: Amor é o que não é passageiro.
Anônimo_Incógnito: ...
O_Realista: ...
Anônimo_Incógnito: Droga...
O_Realista: O que foi?
Anônimo_Incógnito: Acho que andei sendo modinha em alguns corações por aí...

*Não tenha ressentimentos das modinha, elas são um rito de passagem da vida... Ela é o êxtase à primeira vista, a euforia de estar em sintonia com alguém, a experimentação do que é bom segundo os outros, a busca de cumplicidade, a negação de não saber o que se é... E o amor é um terno vermelho com girassol no bolso, independentemente da estação...