Páginas

Os Dias Seguintes

Moça_de_olhar_inconsolável: Não há sequer uma nota nos jornais sobre a morte dele...
Anônimo_Incógnito: Quem...?
Moça_de_olhar_inconsolável: Humberto.
Anônimo_Incógnito: ...
Moça_de_olhar_inconsolável: É tão estranho que o resto do mundo siga indiferente a uma perda tão visceral em minha vida. Este mundo tão pior sem ele...
Anônimo_Incógnito: Quem foi Humberto...?
Moça_de_olhar_inconsolável: O homem que me arrancava sorrisos nos instantes em que eram mais improváveis...
Anônimo_Incógnito: ...
Moça_de_olhar_inconsolável: O que vem depois da morte?
Anônimo_Incógnito: Não sei... Não conheço nada que venha depois dela...
Moça_de_olhar_inconsolável: Então nada se pode fazer?
Anônimo_Incógnito: É preferível que se faça antes... Os vivos, estou certo de que ainda sentem as consequências de uma ação...
Moça_de_olhar_inconsolável: E o que faço com o que não foi dito? O que não foi feito...
Anônimo_Incógnito: É melhor que se dê aos sobreviventes...
Moça_de_olhar_inconsolável: Mas é pra ele que precisa ser dito!
Anônimo_Incógnito: Então vai ficar sem ser dito de novo...
Moça_de_olhar_inconsolável: ...
Anônimo_Incógnito: ...
Moça_de_olhar_inconsolável: Não acredita em vida após a morte?
Anônimo_Incógnito: Claro... Não estamos aqui...? Vivendo...
Moça_de_olhar_inconsolável: Digo, a vida dele...
Anônimo_Incógnito: Você não está aí...? Sentindo...
Moça_de_olhar_inconsolável: ...
Anônimo_Incógnito: No que ele acreditava...?
Moça_de_olhar_inconsolável: O Humberto?!
Anônimo_Incógnito: ...
Moça_de_olhar_inconsolável: Acho que nunca falamos sobre isso...
Anônimo_Incógnito: ...
Moça_de_olhar_inconsolável: Mas ele jurava que Elvis não tinha morrido, que era o porteiro do turno da noite do meu prédio disfarçado...
Anônimo_Incógnito: ...
Moça_de_olhar_inconsolável: (deixa escapar um riso)
Anônimo_Incógnito: (risos)
Moça_de_olhar_inconsolável: (mais risos)
Anônimo_Incógnito: ...
Moça_de_olhar_inconsolável: ...
Anônimo_Incógnito: Humberto, é uma honra conhecê-lo...

P.S.: Sugestão para meu (bem futuro) epitáfio: dispenso companhia na morte, viva e deixe-me viver em você... .